Colágeno, a proteína necessária para evitar desgaste da cartilagem

Por Alice Amaral

31/10/2017 às 08h24 - Atualizada 31/10/2017 às 08h24

O colágeno é a principal proteína do corpo humano, que corresponde a 30% de todas as proteínas. Constituída pelos aminoácidos glicina, prolina, arginina e hidroxiprolina, o colágeno gera firmeza e elasticidade à pele, articulações, músculos e vasos sanguíneos.

 

A partir dos 30 anos ocorre uma redução na produção do colágeno, que sofre uma queda drástica após os 50. Com isso, começam a surgir rugas, linhas de expressão, flacidez, diminuição da elasticidade da pele – que se torna fina e desidratada, unhas fracas, diminuição da espessura dos fios de cabelo, além do enfraquecimento dos ligamentos e articulações, ocasionando dores articulares, tendinites e também favorecendo a perda óssea.

 

Outros fatores também contribuem para a diminuição da produção do colágeno, como: estresse, poluição, herança genética, bebidas alcoólicas, fumo, alterações hormonais e principalmente a alimentação.

 

O conteúdo continua após o anúncio

Um estudo da Universidade Charles, na República Tcheca, indicou que a suplementação com colágeno se mostrou eficaz para combater desgastes articulares em mais de 1 mil mulheres que tinham artrose de joelho. Já outra pesquisa realizada por pesquisadores do Centro de Farmacologia, voltado à Dermatologia (CPAD) do Hospital L’Archet 2, na França, mostrou que a suplementação devolve a firmeza, hidratação e atenua rugas.

 

Portanto, para garantir um envelhecimento saudável, algumas fontes de colágeno devem ser consumidas, como: carnes (boi, frango e peixe); ovos; alimentos ricos em vitamina C (frutas cítricas, frutas vermelhas, vegetais verde-escuro), vitamina E (abacate, semente de girassol, castanhas, nozes, amêndoas), vitamina A (cenoura, manga, mamão) e ômega 3 (azeite, semente de linhaça).

 

Alice Amaral

Alice Amaral

- Título de Especialista em Nutrologia – RQE 17.528 – Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Nutrologia . - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 17.925 – Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte . - Pós Graduação em Medicina Física e Reabilitação – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – R.J. - Formação Médica em 1983

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia