Fumar, pra quê?

Por Alice Amaral

29/08/2017 às 11h31 - Atualizada 29/08/2017 às 11h31

A humanidade enfrenta problemas graves como poluição, guerras, explosão demográfica, pobreza e epidemias. Então, não é preciso acrescentar mais nada, concorda? Mas, o ser humano consegue adicionar um item terrível nesse conturbado cenário, o tabagismo.

 

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o tabagismo é a principal causa de morte evitável no planeta. Mata mais  que alcoolismo, suicídio, Aids, cocaína, heroína e acidentes de trânsito, juntos.  Portanto, precisamos nos conscientizar do problema e atuar firmemente para mudar de forma radical este quadro.

 

O tabagismo possui raízes históricas, presente em praticamente todas as culturas e regiões do mundo, recebendo durante bastante tempo um forte suporte de divulgação e apoio social.

 

Entretanto, hoje, mesmo com todas as informações disponíveis a respeito dos inúmeros malefícios do cigarro, ainda nos deparamos com pessoas fumando. E, o que é pior, jovens adolescentes trilhando esse mesmo caminho.

 

Mais de 50 tipos de doenças estão relacionados ao fumo, entre elas: sinusite, bronquite, asma, enfisema pulmonar, pirose (azia), hipertensão arterial, angina, AVC, infarto e câncer de boca, laringe, traqueia, pulmão, estômago, fígado, pâncreas, bexiga, rim e colo uterino.

O conteúdo continua após o anúncio

 

Nas gestantes aumenta o risco de aborto, filho prematuro ou com baixo peso e retardo mental. E, como se tudo isso não bastasse, ainda causa mau hálito, aumento de rugas, flacidez e celulite em mulheres e impotência sexual em homens.

 

Fumar é ruim para você e faz mal também para quem está ao seu redor. Mesmo fumantes passivos podem desenvolver doenças relacionadas ao fumo. Além da nicotina, que não causa câncer, mas induz o vício, o cigarro contém mais de quatro mil substâncias tóxicas como o alcatrão e também radioativas como o urânio. Segundo estudo publicado em 2010 no veículo British Medical Journal, cada cigarro subtrai onze minutos da vida do fumante.

 

Além da despesa com a compra do produto, os gastos com as doenças por ele provocadas e o afastamento temporário ou definitivo do trabalho causam grande impacto social e econômico.

 

Não é tarefa fácil mudar tudo isto. Portanto, precisamos nos conscientizar do problema e atuar firmemente para mudar de forma radical este quadro. Pare de fumar. Acenda essa ideia.

Alice Amaral

Alice Amaral

- Título de Especialista em Nutrologia – RQE 17.528 – Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Nutrologia . - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 17.925 – Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte . - Pós Graduação em Medicina Física e Reabilitação – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – R.J. - Formação Médica em 1983

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia