O aleitamento materno – 2ª parte

Por Alice Amaral

10/08/2017 às 15h10 - Atualizada 10/08/2017 às 16h11

Continuação…

 

O leite materno pode ser considerado um alimento completo para alimentar o bebê até os dois primeiros anos de vida. E isso quer dizer: crescimento e desenvolvimento pleno da criança, não sendo apenas uma questão de saciar a fome.

 

Uma das principais preocupações da mamãe é com o horário das mamadas. Pense nisso: quando o bebê nasce, precisa de um tempo para se adaptar a tanta novidade. Com o passar do tempo, o bebê vai ficar mais “experiente” e a mamãe também vai captar o ritmo. Assim, as mamadas vão ficando mais espaçadas porque o bebê vai se sentir satisfeito por mais tempo. Lembrando que, não é necessário estabelecer um horário rígido para amamentar. O melhor é opção é deixar por conta do bebê.

 

O leite materno é rico em nutrientes, mas é preciso ficar atenta e verificar se o bebê consegue esvaziar a mama. O leite inicial é mais rico em proteína, vitaminas e minerais. Já no fim da mamada, observa-se mais gordura, e isso garante energia, fazendo com que o bebê sinta-se satisfeito.

 

O conteúdo continua após o anúncio

O ideal é evitar interromper a mamada, pois o bebê corre o risco de ingerir uma quantidade menor do leite com mais gordura. Se a mamãe produz um volume além do que o bebê consegue mamar, pode ser indicado que ela retire um pouco de leite antes da mamada para que o bebê consiga se alimentar também com o “leite gordo”.

 

A mulher também encontra muitos benefícios no ato de amamentar, como: o útero volta mais rapidamente ao tamanho natural; auxílio aa retorno ao peso anterior ao período da gestação; e diminuição do risco de hemorragia pós-parto e cânceres.

 

Um mito que precisa ser derrubado é o do “leite fraco”. Precisamos incentivar cada vez mais o aleitamento materno. É também uma questão de saúde pública, além de ser um período especial no desenvolvimento do bebê.

 

Vale reforçar que sempre cabe consultar um médico para o acompanhamento adequado da saúde do bebê e da mamãe. Afinal, são duas vidas que merecem esse carinho.

Alice Amaral

Alice Amaral

- Título de Especialista em Nutrologia – RQE 17.528 – Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Nutrologia . - Título de Especialista em Medicina do Esporte – RQE 17.925 – Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte . - Pós Graduação em Medicina Física e Reabilitação – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – R.J. - Formação Médica em 1983

Leia também

Desenvolvido por Grupo Emedia